terça-feira, 10 de abril de 2007

O olhar

Vi-te por entre a multidão,
Teus olhos meigos fixaram os meus

E tudo o que vivi até então,

Desapareceu sem sequer dizer adeus.


Aquele momento foi eterno,
Um minuto de pura paixão,

Brotaram flores em pleno Inverno

Ao ritmo pulsante do meu coração.


Sorri-te como uma criança

Que não conhece o sofrimento,

Encheste-me de esperança,

Apagaste o meu desalento.


Ao ver que eu te sorria,

Também tu docemente sorriste

E naquele instante de magia

Com o mesmo olhar te despediste.

Imagem retirada de www.chromasia.com

19 Comments:

Blogger sem-comentarios said...

Há momentos assim, são os ditos "cliques" irresistiveis ;)

Muito bonito :=)**

4/10/2007  
Blogger ruth ministro said...

Sem comentários, este foi imaginado, não foi real... mas acho que tambem conta :) Beijinhos

4/10/2007  
Blogger Embryotic SouL said...

OLá Utzi!
Retrataste e bem, estes inebriantes e fugazes momentos. A complexidade envolvida num simples olhar, traduzida por ti em rimas, muito bem. Gostei.

Beijo Sentido

4/10/2007  
Anonymous Anónimo said...

Há olhares que nunca se esquecem, mesmo que durem um segundo.

*

4/10/2007  
Blogger errante said...

Há ohares que nos fazem passar o resto da vida à procura de um outro que nos faça sentir o mesmo...

gentlylistening.blogspot.com

4/10/2007  
Blogger ruth ministro said...

Sentidos, obrigada e um beijo :)

Constança, é verdade... olha, e o teu blog? Ainda estou à espera... hehehe beijinhos :)

Errante, e será que isso é possível?... Beijo

4/11/2007  
Blogger Francis said...

muito bonito.

4/11/2007  
Blogger ruth ministro said...

... Porém não tanto como certos olhares... obrigada e um beijo :)

4/11/2007  
Blogger errante said...

Sinceramente... acho que não... mas apenas posso falar por mim

gentlylistening.blogspot.com

4/12/2007  
Blogger ruth ministro said...

Errante, disseste uma grande verdade, apenas podemos falar por nós mesmos, porque no que respeita os outros, até os que pensamos conhecer profundamente nos surpreendem...

Beijo

4/12/2007  
Blogger errante said...

Não podia estar mais de acordo.

4/12/2007  
Blogger ruth ministro said...

Errante, é sinal de que és uma pessoa inteligente.

4/12/2007  
Blogger PavlovDoorman said...

Na multidão onde me encontro tenho a sorte de tudo poder ver, e aí sei que os olhares encontrados não tiveram a despedida anunciada

4/13/2007  
Blogger ruth ministro said...

Pavlovdoorman, esses olhares que não tiveram ainda a despedida anunciada podem permitir-nos ver muito mais do que um breve sorriso... Beijinhos :)

4/15/2007  
Blogger PavlovDoorman said...

E é essa vontade guiada pela esperança que me faz passar os "momentos" em que esses "olhares" não se trocam.

P.S. Será a menina capaz (como sei que é) de me perdoar pela minha triste falta de despedida na mensagem anterior?

Beijinho Menina Utzi

4/15/2007  
Blogger ruth ministro said...

Considere-se perdoado, caro cavalheiro, mas evite cometer mais erros deste tipo... hehehe :) Beijinhos

4/16/2007  
Blogger Ponta Solta said...

Por vezes há mesmo instantes como estes...

Olhares que ficam em instantes ternos, e depressa se vão...

Beijinhos

4/19/2007  
Blogger ruth ministro said...

Ponta solta... e que, apesar de fugazes, jamais se esquecem... :) Beijinhos

4/19/2007  
Blogger Rogeriomad said...

Que cena triste...

Morcona...
Porque não falaste com ele ou com ela?

4/27/2007  

Publicar um comentário

<< Home