quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Antes de partires

Concede-me os minutos que sobravam antes de ti,
O pó do tempo que atrasava a tua chegada,

As horas
beijadas pelas nossas bocas cegas de paixão,
E os dias,
ainda mornos dos nossos corpos entrançados no chão...
Deixa-me as memórias dos momentos que contigo vivi,
E por favor,
Permite-me ainda guardar aquele segundo fugaz

Em que perdi a minha paz,

Quando nas tuas mãos, sem pedir nada,

Pousei para sempre o meu amor.

Imagem retirada de olhares.aeiou.pt

28 Comments:

Blogger Amor amor said...

"...o pó do tempo que atrasava tua chegada", que lindo isso!!! Nuvenzinha, mais um poema que faz a gente respirar fundo, e pensar em quem a gente ama...
Fui a primeira, eeeeee! :0>
Beijocas doces cristalizadas!!!

1/24/2008  
Blogger BlueVelvet said...

Querida Utzi,
que momentos tão doces recordaste!
E que forma de os descreveres...
O momento fugaz em que nas suas mãos depositaste, sem nada pedir...
É isso o Amor: dar sem nada pedir, mas às vezes dói.
Beijinhos para ti

1/24/2008  
Blogger Nilson Barcelli said...

O amor nunca impõe condições, é uma dádiva e um sentir que não olha a reciprocidades. Mas quando estas não existem, o melhor será não depositar grande fé (nem prazer) naquilo que dele se guarda.

Mas isto digo eu, que atravesso uma fase de racionalidade tão parva que acho que o fim começa (sempre) agora...

Bom resto de semana, beijinhos.

1/24/2008  
Blogger Francis said...

com o " peço-te" foi-se as unhas de uma mão.
com este foi a outra mão.

e estou sogadito.

1/24/2008  
Blogger Oliver Pickwick said...

Reminiscências do amor, numa declaração para sempre, além da eternidade.
Beijos!

1/24/2008  
Blogger Romeu said...

Nunca mais inventam o Amor em pó...
Sempre era mais tangível.
Arranjavamos uma solução, ou era mais um problema?

Kiss

1/24/2008  
Blogger Brain said...

Cloud,

Li,
Parei,
Meditei,
Incorporei.

Não é comum,
Mas assim aconteceu.

Isto é,
Na minha opinião,
A consagração máxima da escrita!

Parabéns!

Um Beijo meu.

1/24/2008  
Blogger ruth ministro said...

Carol, primeiríssima! :) Obrigada pelas palavras, beijinhos!

Blue velvet, o amor só é puro e verdadeiro se se cristalizar num sentimento altruísta :) Beijinhos

Nilson, espero que essa fase passe depressa... :) Beijos

Francis, eu cá acho que tu já andas sogadito demais... :) Beijos

Oliver, beijos também para ti :)

Romeu, Amor em pó... Uma solução? Só se lhe juntares água... :) Beijos

Brain, muito obrigada :) Fiquei sem palavras para retribuir as tuas... Beijo

1/24/2008  
Blogger --------------- said...

Gostei muito da forma doce como desnuda a paixão e converte num acto de amor, revisto do orgulho próprio da saudade, o lençol frio da alegria...:)

Parabéns pela forma como alia a intensidade com a qualidade literária.

1/25/2008  
Blogger João Filipe Ferreira said...

parabens por mais um lindo conjunto de palavras...
crias magia e envolves o amor na sua profundidade ..parabens
gostei:)
beijinhooooooo

1/25/2008  
Blogger Hélder said...

Roubei esses instantes preciosos, que carrego no peito, por pura inveja.
Acompanham-me sempre, para todo o lado que vá, um tesouro privado para eu contemplar.
Não partilho com ninguém, o que tenho não sobeja,
Não chega, não conforta a dor de te deixar.

Amor é perder a paz numa entrega sem condições. Sou um triste e imberbe homem maduro que só te traria desilusões.


Mais uma vez, Nuvem, uma viagem intensa do início ao fim, sempre num crescendo de intensidade das emoções. Adorei este!

Beijo

1/25/2008  
Blogger anamoris said...

Segundos como esse, valem uma vida inteira. Inspirada!!!
Bom fim de semana

1/25/2008  
Blogger Maria Laura said...

Palavras belíssimas. O amor está sempre ligado à saudade.

1/25/2008  
Blogger as velas ardem ate ao fim said...

Ai a saudade, a saudade...

bjo

1/26/2008  
Blogger YTMO said...

As memórias do amor são sempre eternas... são momentos que ficam tatuados.

Gosto muito do que escreves.
Bjs ***

1/26/2008  
Blogger Joseph 1 said...

Nuvem
OLá

Se o poema lindíssimo que escreves é ficção então é uma sensual postagem...
Se tem endereço, é linda, mas a sensualidade não é para nós.

Amei a primeira parte do poema que diz:
"Concede-me os minutos que sobravam antes de ti,
O pó do tempo que atrasava a tua chegada,
As horas beijadas pelas nossas bocas cegas de paixão,
E os dias, ainda mornos dos nossos corpos entrançados no chão..."

Isto é o tremendamente poético, directo ou indirecto...

Beijinhos** ternos.

(Se não te importares, podes dar-me, por mail, o dia e o mês em que nasceste?)
Já levaste o selo que te dei?
Aparece.

1/27/2008  
Blogger Nuno Tavares said...

O que escreves é sempre... mas sempre bonito! Não pares de escrever nunca!
Agora começo a reparar em outros pequenos pormenores... como por exemplo a cor das letras a combinar com a foto. :)
És uma caixinha de surpresas.

Beijinho

1/27/2008  
Blogger ruth ministro said...

Artur Moura Queirós, fico honrada com as palavras que me deixou. Principalmente depois de ler as que magnificamente escreve no seu blog. Muito obrigada.

Joao, obrigada :) És sempre gentil. Olha, depois dá-me notícias sobre o livro... Beijos

Htsousa, sabes, isso é o que se chama de concorrência desleal... a fazer poesia com a poesia dos outros... tsss tsss... ;) Beijos

Anamoris, é verdade, valem mesmo. Beijinhos :)

Maria laura, está... Mas ainda bem que assim é :) Beijinhos

As velas ardem até ao fim, mil beijos para ti :)

Ytmo, concordo. Obrigada pelas palavras. Volta, sim? Beijos

Joseph, ainda bem que gostaste. Beijinhos

Nuno tavares, eu dou muita importância aos pormenores, em tudo na minha vida :) Obrigada e beijos para ti

1/27/2008  
Blogger Carol said...

Amar é assim mesmo: dar e nada pretender em troca.
Bom início de semana.

1/27/2008  
Blogger Manuela Peixoto said...

pode-se sempre guardar os segundos fugazes que vivemos com o nosso amor, porque a memória, ninguem pode apagar!!

1/27/2008  
Blogger tchi said...

Belíssimo "recado".

Beijinho.

1/27/2008  
Blogger vermelhinha said...

Lindo e saudoso o teu poema.
Um beijo.

1/28/2008  
Blogger ruth ministro said...

Carol, concordo. Ainda que se nunca recebermos nada em troca do nosso amor, ele acabe por murchar... Beijo

Nelinha, a memória é o nosso bem mais precioso, é o que faz de nós aquilo que somos hoje... :) Beijinhos

Tchivinguiro: onde nasci, obrigada :) Beijos

Vermelhinha, um beijinho parea ti :)

1/28/2008  
Blogger ... said...

Direi apenas-nada a esse estremecimento que oscila entre o beijo de paixão, e o pó fecundado
nas mãos que não reconhecem o vestido de um rosto incapaz de reparar que os momentos de amor se sentam à sua frente.

(*)

Luxo*

1/28/2008  
Blogger ruth ministro said...

Madrugada, que belas e profundas palavras... Obrigada. Beijo

1/28/2008  
Blogger Karina said...

Ah...lembranças.
Tê-las ou não tê-las? Eis a questão.
Belo texto!
Bjinhos

1/30/2008  
Blogger ruth ministro said...

Karina, bem reformulado :) Beijos

1/30/2008  
Blogger Rain said...

É incrível como uma sequência de simples letras, que formam simples palavras se podem transformar em pedaços de literatura carregados de emoção e intensidade...

2/01/2008  

Publicar um comentário

<< Home