quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Sem palavras


Tenho tanto por dizer e as palavras ficaram mudas. Sinto um vazio a engolir o meu coração. O ar que respiro enche-me de solidão. Como quando o rio acorda antes das aves, antes do sol, antes das flores, e se sente completamente só. Como se o universo inteiro estivesse a dormir e apenas eu estivesse acordada. Sinto uma tristeza tão dolorosa, que me rasga por dentro como uma faca afiada. Tenho tanto por dizer e as palavras parecem mortas. Talvez tenham morrido de desgosto ao ouvir as tuas. Talvez as palavras sejam mesmo assim e só existam enquanto fazem sentido para alguém, enquanto são suas. Hoje nem as palavras podem fazer-me companhia, porque não as sinto bater no meu peito. Estou completamente sozinha. Frágil como uma andorinha. Como se as asas me pesassem mais do que o mundo. Como se o céu fosse um mar e eu estivesse imóvel lá no fundo. Como se o meu amor fosse chumbo. Tenho tanto por dizer e as palavras afogaram-se comigo. Talvez já não sejam precisas. Talvez para ti nunca tenham valido mais do que o chão que pisas. Despeço-me em silêncio. Não de ti, que não me conheceste, mas das palavras que mataste em mim. Aquelas que também nunca irás conhecer. Aquelas que nunca poderei dizer. E fico só. Como quando o rio acorda antes das aves, antes do sol, antes das flores, e se sente completamente só. Como se o universo inteiro estivesse a dormir e apenas eu estivesse acordada. Como se além da minha dor, não existisse mais nada.


Imagem retirada de http://olhares.aeiou.pt

19 Comments:

Blogger as velas ardem ate ao fim said...

Talvez para ti nunca tenham valido mais do que o chão que pisas. Despeço-me em silêncio. Não de ti, que não me conheceste, mas das palavras que mataste em mim. Aquelas que também nunca irás conhecer. Aquelas que nunca poderei dizer. E fico só.

É triste mas belissimo.

abraço apertadinho

1/28/2009  
Blogger Rapera said...

Siento no hablar el portugués, y espero que entiendas mis frases. Sólo quiero decirte que tu blog es hermoso, lo son tus textos y tus fotos, y me he conmovido. Tampoco tengo palabras, que como a ti me ahogan para expresarte mi agradecimiento ante este rincón de la tristeza.

1/28/2009  
Blogger antonio - o implume said...

...mais nada seria uma dor insuportável...

1/28/2009  
Blogger Donagata said...

As palavras valem o que valem e por vezes afogam-nos; ora porque as não dizemos, ora porque as dissemos demais. Porém, mais do que as palavras, por bem que as saibamos usar, até manipular no sentido das nossas intenções, valemos nós. E isso, essa nobreza, essa dignidade, ninguém nos pode roubar por muito que tente arrancar, estirar, puxar. A dor sente-se diluída nestas palavras de raro significado, mas a coluna fica esticada, direita. Sofrer não é soçobrar.

Um beijo e um abraço muito sentido.

1/28/2009  
Blogger BlueVelvet said...

Vinha dizer-te para pasares lá em casa, mas depois de ler o teu texto, isso perdeu a importância.
Deixo-te só um abraço muito, muito apertado e um colinho, se quiseres.
Beijinhos, linda nuvem

1/29/2009  
Blogger PavlovDoorman said...

Menina Utzi as Andorinhas podem parecer frágeis mas são muito resistentes, fortes e resilientes...

Viajam milhares de quilómetros a perseguirem a sua alegria, a sua vida, o seu raio de sol.

Sei que certamente a Menina voltará a ser uma Andorinha Forte capaz declarar as suas doces palavras ao Vento.

Beijinho

1/29/2009  
Blogger tonsdeazul said...

Estas tuas palavras transmitem uma sentida tristeza e no entanto são tão belas!
Um beijinho, linda!

1/29/2009  
Blogger anamoris said...

O teu texto é demasiado bonito e demasiado triste. Todos nós já nos sentimos assim, mas nem todos temos o dom de o saber exprimir.
Tu tens! (mesmo que não o estejas a sentir, não é) As palavras jorram de ti, linda.
Beijos

1/29/2009  
Blogger Mar Arável said...

é importante felar

com o silêncio

e depois encontrar um barco

e remar

O infinito está ali

aqui

ao nosso lado

1/29/2009  
Blogger Amor amor said...

Nuvem, me desculpe pela distração, vou enviar novamente o convite, sua presença lá é indispensável!!!

Quanto à poesia, desenhei na minha mente a imagem de uma andorinha com asas de chumbo, e um lindo amanhecer enquanto todos dormem. A sensação de ter tanto pra dar e não poder dar é como ser algo caríssimo que, porém, está quase passando da data de validade. É assim que me senti muitas vezes, e ainda sinto, ao som de algumas palavras...

Beijinhos doces cristalizados!!! ;o*

1/29/2009  
Blogger André said...

E acaba sempre em surpresa porque as emoções ainda me surpreendem, cada vez que por aqui venho.

1/30/2009  
Blogger melgadoporto said...

Queria o meu jardim florido e cheiroso.
Arredar de vez, ervas que insistiam em renascer.
Regá-lo ao de leve, sem que o atolasse.
Sentar-me e admirá-lo
Ama-lo!
Mas o jardim já não era meu, como pensava!
Florido e cheiroso como o sonhei e queria.
Assim, hoje “sinto um vazio a engolir o meu coração”
:-(

1/30/2009  
Blogger just me, an ordinary girl said...

Fiquei siderada, sao lindas as tuas palvras! Mas tão tristes que espero sejam palavras que contem uma historia inventada, apenas...

Deixo-te um beijo doce doce doce.

1/30/2009  
Blogger Nuno Tavares said...

LINDO!

1/31/2009  
Blogger Fénix said...

Meu Deus, como já senti isso que escreves. Senti.
Uma dor física, que despedaçou o meu coração. Nunca tinha sentido nada igual... nem sabia que existia tal dor.

Não sei se o que escreves, escreves com experiência, mas escreves como se soubesses o que é.

Felicito-te pelo texto.

2/01/2009  
Blogger Incapaz said...

Sabes, existem pessoas nesta vida que não merecem mais que o desprezo.
Não sabem valorizar as outras ou dar valor ao que têm.
Essas pessoas por norma magoam-nos, a nós que acreditamos no bem e nos valores. Na compreensão e na honestidade.

2/01/2009  
Blogger Arménia Baptista said...

Bonito, porém triste...talvez a beleza atenue a tristeza...
um abraço

2/02/2009  
Blogger Spectrum said...

Todas as noites me despeço de ti
como se existisses nos meus gestos...
Beijo-te

2/03/2009  
Blogger Nilson Barcelli said...

"Estou completamente sozinha. Frágil como uma andorinha. "
Espero que isto seja ficção...
Mas gostei imenso do texto.
Beijo querida amiga.

2/11/2009  

Enviar um comentário

<< Home