quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Eternidade


Serei sempre eu nos versos que escrevo.
Mesmo que murchem as flores que trago no peito,
mesmo que o céu se enegreça nos meus olhos,
mesmo que o mar me engula as palavras,
ficarei para sempre nos versos...
E é essa a verdadeira eternidade.


Imagem: "Poet´s Walk" de Henri Silberman

5 Comments:

Blogger Vinte e Quatro said...

Olá nuvem,

Permite-me a ousadia de te lançar um desafio. Para quando um poema com um sorriso ou com um céu limpo e sem qualquer nota desafinante destoando no papel? Para quando um poema cheio da luz que tu tens?

Beijo

Vinte e Quatro

9/03/2009  
Blogger Putty Cat said...

Tens toda a razão...

Toda mesmo.


:)


beijo meu

9/04/2009  
Blogger susana said...

Mesmo sem versos ficarias comigo. Mas com eles, poso dizer quem és.

9/05/2009  
Blogger Francisco said...

... Mesmo que no lugar do coração o "homem chamado lágrima" tenha uma cascata de água salgada arquitectada pelas suas próprias lágrimas.

...Mesmo assim, esse homem que, no passado, dizia não conhecer a tristeza e que tem agora um peito feito de lágrimas;

...mesmo assim...ficará para sempre nas suas palavras, nos seus versos.

Beijo
Francisco

9/06/2009  
Blogger nuvem said...

Beijos a todos...

9/06/2009  

Enviar um comentário

<< Home