sábado, 5 de dezembro de 2009

Modus Operandi






















Peguei na palavra amo-te
e cravei-a com força no peito.
Deixei escorrer lentamente no papel,
os versos com que escrevi o poema.
Depois, arranquei a palavra amo-te
do peito já vazio de poesia,
e fechei a ferida com cuidado,
para não deixar vestígios.
Limpei a palavra amo-te,
minuciosamente,
antes de a enterrar onde nunca
mais conseguirás encontrá-la.


Imagem encontrada algures na net...

7 Comments:

Blogger BlueAngel said...

Lindooooooooooo...
Partilho esse teu sentimento...
Beijinhos

12/05/2009  
Blogger susana said...

Querida: um bom indiana jones acabará por encontrar essa palavra. ;)

12/05/2009  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

alguem sempre a encontrará

a palavra amo-te ainda é a que mais se deseja ouvir!

bom domingo!

12/06/2009  
Blogger *flor* said...

Faz algum tempo que te leio e acho que nunca te comentei, também não sei porque o faço hoje talvez porque também desejava enterrar tal palavra que nunca se cansa de ressuscitar...

É encantadora a forma como unes as palavras e as tornas perfeitas. =)

Beijinho e bom domingo*

12/06/2009  
Blogger susana said...

há palavras que são muito mais que um conjunto de letras, e que quando cravadas no peito, torna-se imensamente dificil arrancá-las!

parabéns pelo blog!*

12/08/2009  
Blogger Amor amor said...

Acho que preciso fazer o mesmo...

Linda e querida Nuvem, que saudades! Estou quase de férias, e pretendo estar mais presente, se Deus quiser.
Obrigada por colocar aqui o link para venda online. Já vou lá conferir.

Beijocas doces cristalizadas!!! ;o*

12/14/2009  
Anonymous Anderson P. da Silva said...

Gostei muito do texto.
Uma das coisas mais lindas que li esses dias.
Abraço.

1/22/2010  

Enviar um comentário

<< Home