sexta-feira, 4 de junho de 2010

Ao entardecer

Perguntei ao entardecer o que era feito de ti.
Respondeu-me o eco de um silêncio
que nem sequer te conheceu... afinal,
nunca quiseste adormecer as palavras
no meu colo;

nunca soubeste anoitecer poema

nas minhas mãos.

3 Comments:

Blogger Putty Cat said...

Mais outro...

:)

6/04/2010  
Blogger Maria said...

Deixa-me acordar poema no teu peito...

Belo o teu poema, Nuvem.
Um beijo.

6/04/2010  
Blogger G... said...

Apetece amanhecer poema nas tuas palavras.
E ficar a ver o Sol...

6/04/2010  

Enviar um comentário

<< Home