domingo, 25 de setembro de 2011

Dor sem nome

Por vezes a dor não tem nome,
não tem tamanho, não tem razão,
é apenas um esmagador vazio,
um silêncio assustador dentro
da boca que quer gritar,
um frio intolerável dentro
das veias, e o corpo como um
mar sem fim, sem fundo,
sem lugar.

Por vezes a dor é quase loucura,
quase fome que devora tudo
o que há por dentro,
e o coração sozinho, abandonado,
como uma pedra demasiado
pesada para carregar.

E o céu cada vez mais perto,
e as asas mais longe do chão,
e o cansaço a florescer
à luz da solidão.

1 Comments:

Blogger Maria said...

Por vezes a dor é tanta que nem se consegue respirar...

Beijo.

9/25/2011  

Publicar um comentário

<< Home