segunda-feira, 19 de março de 2012

Sabes, pai

Sabes, pai, há dias em que me lembro do mundo que me pintaste quando ainda não sabia de que cores se pintava o mundo. Quando eu era maior do que o meu pequeno tamanho, porque tu me dizias que o mundo era meu. E tenho saudades das tardes de sol que passámos juntos, a brincar nesse mundo onde nada nem ninguém podia enegrecer o céu. Sabes, pai, há dias em que quase me esqueço do caminho para esse mundo que tu me pintaste e que guardei até hoje na gaveta das memórias. Dias em que a vida me magoa a pele, me fere a esperança e me pesa os passos. Mas depois há o verde dos teus olhos a lembrar-me que um dia, há muito, muito tempo, eu já acreditei. Sabes, pai, o mundo que tu me pintaste continua a ser cenário dos meus sonhos. E a tua mão continua a amparar-me a cada vez que acordo e vejo que, afinal, o mundo é um labirinto cheio de sombras onde os poemas se perdem. E os dias se gastam. Tu sabes, pai.

5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Adoro seu blog e suas poesias. Parabéns

3/20/2012  
Blogger Lenin aka JR said...

Tenho andado ausente, eu sei. Mas continuo a vir aqui... a este local onde sei que continuarei a ser surpreendido a cada visita. Beijos

3/26/2012  
Blogger ruth ministro said...

Anónimo, muito obrigada, espero que continue a visitar esta nuvem.

Lenin aka JR, e olha que já cá faziam falta as tuas palavras. :) Fico contente com esta visita. Um beijo grande.

4/10/2012  
Anonymous Miguel Terra said...

É muito bonito o teu texto. Parabéns.

4/20/2012  
Blogger ruth ministro said...

Muito obrigada, Miguel. Espero que esta seja a primeira de muitas leituras. Beijos

4/20/2012  

Publicar um comentário

<< Home