quarta-feira, 25 de abril de 2012

Liberdade

Como um pássaro de asas abertas
que abrisse caminho até ao fundo do mar.
Ou um poema feito de vento
que arrancasse os silêncios do chão ao passar.
Como uma multidão de estrelas
que se acendesse até ao fundo das palavras,
até ao fundo da verdade.
Como um jardim de vermelhos cravos
que florisse sem medo no peito,
até à liberdade.

2 Comments:

Blogger Maria said...

Regarei o jardim todos os dias
para ajudar
os cravos a florirem de novo
no peito
até à liberdade.

Beijinho.

4/25/2012  
Blogger ruth ministro said...

Eu pergunto-me onde anda a liberdade... Um beijinho, Maria.

5/19/2012  

Publicar um comentário

<< Home