terça-feira, 31 de julho de 2012

Aquele momento preciso

Há aquele momento preciso em que o primeiro verso se desprende do coração para caminhar sozinho.  Depois é apenas uma questão de tempo para que, com os passos inseguros de quem não sabe para onde vai mas não pode parar, desenhe o resto do poema, pegadas numa rua deserta marcando os traços do caminho. E todo o silêncio de repente se ilumina. Há aquele momento preciso em que se morre entre rimas para que o poema possa nascer, manhã pura de sol, logo ao virar da esquina.

2 Comments:

Blogger Nilson Barcelli said...

A maneira como descreves o processo criativo da poesia é deliciosa. Gostei muito.
Beijo.

PS: Ruth, já há muito tempo que não te visitava, mas vejo que evoluiste e estás a escrever como nunca, prosa ou poesia.

8/02/2012  
Blogger cores e outros amores said...

É precisamente isso!!! Obrigada.

8/07/2012  

Enviar um comentário

<< Home