segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Abro este grito

Abro este grito e
solto a garganta
tanta sede tanta
e o amor quase
sem voz quase
sem corpo ainda
a estalar a terra
a erguer-se como
um morto-vivo
cheio de fome
cego de tudo
abro este grito e
solto o coração
tanto sonho tanto
e o amor ainda

2 Comments:

Blogger Pedro Branco said...

Como eu já tinha saudades desta escrita...

Beijo!

10/10/2016  
Blogger ruth ministro said...

Oh, querido amigo, já cá não vinha há algum tempo e só agora vi o teu comentário, perdoa-me. Fico feliz por ainda te lembrares da morada desta nuvem. :) Um beijinho e obrigada!

11/14/2016  

Publicar um comentário

<< Home